Notícias

Doação de sangue diminui com a chegada do inverno

24/05/18 - 9:31:13 (Administrador)
Alterado em: 24/05/18 às 9:31:47 por Administrador

Com a chegada do frio e a proximidade do inverno, as doações de sangue caem significativamente. Em invernos anteriores, houve uma queda de aproximadamente 25% de bolsas coletadas. Isso se deve as baixas temperaturas, pois os doadores estão menos dispostos a sair de casa e não se sentem motivados a doar. Além disso, muita gente viaja e ainda há outras que contraem doenças típicas de inverno como gripes e resfriados, que as impedem temporariamente de doar sangue.

Entretanto, a necessidade de sangue aumenta, pois além dos pacientes que adoecem nessa época do ano, as viagens também aumentam devido às férias escolares, e consequentemente os acidentes, aumentando assim o número de transfusões.

Diante disso, é importante que as pessoas se sensibilizem de forma mais ampla sobre a importância e necessidade da doação de sangue, pois só teremos sangue em estoque se houver doação. Infelizmente não há nada artificial que substitui o sangue, somos dependentes uns dos outros em relação à transfusão de sangue. Por isso é fundamental que as pessoas doem sangue com frequência, um ato de solidariedade e de amor ao próximo.

Hoje o estoque de hemocomponentes da UCT – Toledo está regular, porém é necessário que todos os dias haja doadores para atender a demanda de transfusões. É preciso manter uma média de 40 doações por dia, pois os hemocomponentes são fornecidos para 24 unidades de saúde entre hospitais e clínicas conveniadas, e 2 Agências Transfusionais dos 18 municípios pertencentes à 20ª Regional de Saúde.

A UCT – Toledo ao longo dos anos realiza diversos projetos de ação educativa de conscientização e informação, como os projetos: Doador do Futuro, Formação de Grupos Fidelizados, Programa de Captação de Doadores de Sangue, Palestras em Escolas, Universidades e Unidades de Saúde, e recentemente iniciamos um projeto em parceria com os agentes comunitários de saúde dos 18 municipios atendidos pela Unidade, que tem por objetivo capacitá-los e torná-los multiplicadores de informação e incentivadores de novas doações.

Para o segundo semestre de 2018 a UCT irá desenvolver um projeto que visa fidelizar os doadores, ou seja, incentivá-los a realizar três doações no período de 12 meses, pois desta forma é possível assegurar quantidade e qualidade do sangue em estoque. Há evidências que os doadores fidelizados são mais conscientes quanto aos comportamentos de risco, requisitos e condutas para doação, e os exames sorológicos realizados geralmente são negativos, o que significa a ausência de vírus transmissível pelo sangue.

O processo de doação dura cerca de 40 a 60 minutos, passando pelas etapas de cadastro do doador, triagem clínica, triagem hematológica e a doação propriamente dita. É seguro, rápido e não prejudica a saúde do doador.

Para ser um doador é preciso:

  • Estar em boas condições de saúde;
  • Ter entre 16 e 69 anos (menores de idade com o consentimento formal do responsável, e acima de 60 anos somente se já for doador);
  • Peso superior a 50 kg;
  • Apresentar um documento oficial com foto.

Homens podem doar a cada 60 dias e até 4 vezes no período de 1 ano, e mulheres a cada 90 dias e até 3 vezes em 1 ano.

Recomendações para doação de sangue

  • Dormir bem na noite anterior à doação, pelo menos 6 horas;
  • Não ingerir bebidas alcoólicas 12 horas antes da doação;
  • Evitar fumar pelo menos 2 horas antes da doação;
  • Não estar em jejum (muito importante!).

Motivos que impedem a doação de sangue

Todos os doadores que procurarem a UCT passarão por uma triagem com um profissional de saúde, normalmente um médico, que fará avaliação do doador de acordo com a legislação vigente e irá verificar se ele está apto ou inapto para doação neste dia.

Mas segue alguns impedimentos temporários e alguns definitivos:

  • Gripe ou febre;
  • Vacinação;
  • Gravidez ou amamentação;
  • Cirurgia de grande porte a menos de 1 ano ou de pequeno porte a menos de seis meses;
  • Ter comportamento de risco em relação à AIDS (fazer uso de drogas ilicítas, e/ou ter vários parceiros sexuais);
  • Ter tido hepatite após 11 anos de idade;
  • Ter feito tatuagem, maquiagem definitiva ou colocado piercing nos últimos 12 meses.